• ACAITP

Reunião entre prefeitura e donos de bares determina horário de funcionamento e maior fiscalização

O aumento dos casos de Covid-19 em Três Pontas fez com que o município, inserido na macrorregião do Sul de Minas, regredisse para a zona amarela de restrições à pandemia. Sendo assim, a Prefeitura de Três Pontas, representada pela Secretária de Saúde, Tereza Cristina Corrêa, reuniu no auditório da Associação Comercial e Agroindustrial de Três Pontas (AcaiTP) os proprietários dos bares da cidade para dialogarem sobre as medidas que serão tomadas para diminuir a aglomeração excessiva que vem acontecendo, principalmente, na Avenida Osvaldo Cruz.


Sendo assim, ficou definido que:

- Bares e restaurantes poderão funcionar até às às 00h, com tolerância de 1 hora;

- Está proibido qualquer tipo de entretenimento que estimule a aglomeração.

- A capacidade máxima permitida em cada estabelecimento será de 30% do total;

- Foi sugerido que os proprietários dos bares contratem seguranças para garantirem a fiscalização e o cumprimento das regras pelos clientes.


Importante lembrar que a pandemia continua e que o vírus está em constante circulação. A população precisa entender da importância do isolamento social e que, sem isso, ainda poderemos ter muitas perdas no município, tanto de vidas, quanto de oportunidades, uma vez que tudo pode mudar a qualquer momento.

É necessário que todos tenham consciência e passem a tratar a pandemia com muita seriedade. Durante a reunião, a enfermeira Débora Tiso deu seu depoimento sobre o quão doloroso é o tratamento para os casos mais sérios e que é preciso ter empatia e solidariedade, para cuidar de si e dos outros ao redor.

Por outro lado, os donos dos bares cobraram muito a intensificação das ações da Polícia Militar para que possam auxiliá-los nas tomadas de decisões contra as aglomerações. A AcaiTP entregará ofícios à PM e à Guarda Municipal solicitando o aumento do efetivo nos locais citados, visando o correto cumprimento das medidas restritivas, além do combate ao vandalismo e à destruição do patrimônio público.



40 visualizações0 comentário